27.5.16


ELVIS? QUEM?



Ele a olhou com carinho, afeto e atenção.

Muito carinho, muito afeto e muita atenção.

Muito tudo.

Muito tudo.

Muita paixão.

Coração ao alto.

Explodindo.

Mil vezes por segundo.

Mil vezes tudo.

E ela apenas acendeu um cigarro e sentou-se no chão da sala, sobre os seus tapetes coloridos.

Lindos tapetes coloridos.

Ela estava pronta.

Pronta a ouvir a chuva que começou a desabar na cidade e esmurrar as janelas do seu apartamento.

Muita chuva.

Esmurrar sem dó nem piedade.

Luzes ainda acesas.

Ela apenas o olhou.

Ainda mais uma vez.

Com carinho, afeto e atenção.

Com muito carinho, muito afeto e muita atenção.

Ele a achava linda, por Deus.

Linda demais....

Ela apenas tragou o seu cigarro lenta e profundamente e levantou-se, apenas com sua camiseta velha do Elvis e foi à cozinha pegar um copo de conhaque.

- Quer? – ofereceu displicente ao que ele prontamente negou.

Ela prosseguiu com seu sotaque forte - Conhaque, cigarro, chuva e inverno combinam demais – ela disse, cínica.

Ele apenas sorriu.

- E você apenas com uma camiseta do Elvis completa a beleza do quadro – ele completou.

Ela sorriu.

- Te amo – ela disse – tímida.

Ele sorriu e apenas disse – Eu também. Muito.

E a chuva?

Continuou a cair desvairada durante toda a noite.

A camiseta do Elvis?

Ficou em um canto qualquer... ficou esquecida em um canto qualquer ao lado de um velho copo de conhaque e bitucas de cigarro...

Canto qualquer...



 

Nenhum comentário: