24.5.16



DANÇANDO...



- Nada – ela respondeu desinteressada, sem vontade, sem tesão, sem paixão, sem nada.

Ele a encarou com surpresa e temor – Nada? – perguntou, incrédulo.

- Sim. Nada – ela insistiu e emendou – Nada. Precisa ter alguma coisa? Precisa ter algum motivo? Precisa ter a porra de alguma coisa? Eu já disse. Não é nada – sentenciou.

Ele ficou em silêncio sem saber o que dizer. Levantou, acendeu um cigarro foi até a cozinha e encheu um copo de vodka. Voltou a sala em silêncio. A observou por alguns instantes. Sabia que nada deveria dizer. Ao menos naquele momento. Ao menos naquele específico momento.

- Porra, será que não posso ter dias ruins? – ela perguntou puta, muito puta, muito brava. Muito brava mesmo – Não? Insistiu.

Ele nada disse. Nada. O silêncio se fez som naquele apartamento ridículo dela. Apenas tomou mais um trago e deu mais uma baforada no seu cigarro de menta.

- Olha – ela disse, quase vencida – Eu te amo, mas não dá para ser assim, ok? Não dá. Cansei de flores e telas e quadrinhos coloridos. Quero mais. Quero muito mais que isso – disse.

Ele deu o último gole e a última tragada no cigarro de menta. A encarou como se não houvesse amanhã. A despiu na alma com seu olhar infame. Levantou a pegou pelas mãos, de uma forma suave, sutil, delicada e gentil. Um lorde, se é que ainda existe algum. Perguntou sem disfarces – Quer dançar?

Ela sorriu como há muito não fazia. Como há muito não fazia.

- Claro – respondeu, tímida.

E ele começou os movimentos.

Conduziu e conduziu e conduziu.

O que dançaram?

O bom e velho Sinatra.

O bom e velho Sinatra.

E não importa se ficaram juntos depois da última dança.

O que importa é que a noite foi mágica.

Como todas as noites de casais apaixonados devem ser.

Todas as noites devem ser....


Nenhum comentário: