5.8.14


PERDENDO O PENÂLTI... CHUTANDO NA PUTA QUE O PARIU...

- O que você me disse? – ela perguntou incrédula, mal acreditando no que havia acabado de ouvir, porém desejando ardentemente que fosse verdade. A mais pura verdade.
Ele a olhou com surpresa e com os olhos vermelhos e bêbados. Nada disse. Preferiu o silêncio. O cruel e malvado silêncio.
- Vai, diz. Repete – ela insisitiu querendo muito ouvir novamente o que ele havia acabado de dizer, confessa porra – insistiu.
Ele disfarçou apenas e disse com a voz trôpega e confusa – Não estou entendendo nada querida. Nada. Absolutamente nada. O excesso de vodka, além do barulho infernal deste Clube Varsóvia não deixa meu cérebro funcionar em paz. Não estou entendendo mais nada. O que você quer? Um cigarro? Tenho aqui, mas apenas aqueles mentolados que você odeia – disfarçou – Caso queira eu te arrumo “cigarros” mais fortes – emendou de forma imbecil, infantil, idiota. Um verdadeiro imbecil.
Ela o encarou sem paciência. Sem a menor paciência e apenas disparou – Você sabe muito bem trouxa. Imbecil. Não se trata de cigarros nem de qualquer outra coisa. O que você acabou de me dizer? Repete – ela insistiu – Isto muda tudo. Repete... – Implorou.
Ele deu de ombros e respondeu – Não sei. Não lembro. Agora não me lembro.
- Não? – ela perguntou.
- Não mesmo – ele respondeu mentindo, mais uma vez, ainda mais uma vez.
- Tem certeza? – ela perguntou novamente, em excesso de paciência.
Ele sorriu o seu sorriso mais falso e mais bêbado falseado. Apenas disse – Tenho. Não sei exatamente o que eu disse ok? Podemos ficar assim?
Ela fechou a cara desgostosa e não respondeu.
- Podemos? Por favor. – ele insistiu.
- Não está mais bêbado? – ela perguntou em tom de provocação – Passou rápido esta porra de porre não acha? – Provocou – Seu imbecil – completou.
- Olha minha querida... – ele tentou argumentar.
- ... “Minha querida” é o caralho... – ela interrompeu - Vai se foder. Idiota – completou cruel e rápida.
- Ainda bem que você não gosta de palavrões – ele provocou – Ainda bem. E você os detesta nos meus textos.
Ela arremessou no rosto dele o pouco de vinho tinto chileno que restava em seu copo. Furiosa. Absolutamente furiosa.
- Porra. Isto mancha – ele respondeu cínico e irado. Verdeiramente irado.
- Vá se foder – ela respondeu enquanto se levantava – Vou embora.
- Depois nos vemos? – ele perguntou ingênuo.
Ela fez o gesto do dedo do meio e o mandou para o lugar do qual ele nunca deveria ter saído. Nunca deveria ter saído. Com certeza...
- Por favor... – ele insistiu.
- Tchau. Paga a porra da conta – ela disse antes de virar as costas e ir embora.
Ele?
Ele permaneceu no Clube Varsóvia bebendo mais uma dose da sua vodka barata e vagabunda e achando que a vida é muito mais dos que palavras mal faladas em noites mal desenhadas...
...
Pobre idiota...
...
Pobre idiota que não disse o que pensava... Simplesmente não disse efetivamente o que realmente pensava...
...




2 comentários:

Anônimo disse...

"achando que a vida é muito mais dos que palavras mal faladas em noites mal desenhadas..."

Anônimo disse...

...e de repente alguns textos nem tão antigos assim perdem espaço...assim como seus temas tão amorosos...uma pena.