7.4.14


BEING BORING

- Você me ama MESMO? Ama de verdade? – ela perguntou, com ênfase.
Ele sorriu, abriu seu melhor sorriso, ajeitou sua barba rala e vagabunda e respondeu – Claro que sim. Claro que te amo.
Ela sorriu em resposta. Nada mais.
- Qual a razão da pergunta? – ele disse – Você me acha velho demais? – perguntou – Me acha mentiroso? – insistiu.
Ela apenas sorriu. Nada respondeu.
- Diz – ele insistiu – Você me acha velho ou gordo ou falso demais?
Ela abriu o seu mais delicioso sorriso. Nada disse mais uma vez.
Ele ficou irritado – Não vai dizer nada, porra? – berrou – Não percebe a minha barba de velho? Minhas manchas vermelhas no rosto? Você é cega ou o quê?
Ela apenas consentiu com sua cabeça recheada de cabelos negros soltos e disse tranquila – Não vou dizer porra nenhuma. Preciso? Você não percebe no meu olhar os meus sentimentos? Coitado - Te amo, porra. Apenas isto – disse, com afeto, açúcar e amor. Muito amor.
Ele sorriu constrangido.
Ela disse – Trouxa.
Ele concordou.
E foram muito felizes... por muitos e muitos anos, por muito tempo. O tempo suficiente para ser feliz. O trouxa ansioso e a sincera grosseira e verdadeira. Necessariamente verdadeira. Coisas que só a porra do amor pode reunir. Só a porra do amor pode reunir...



4 comentários:

Lô disse...

E claro que chorei (de novo) lendo.

Lô disse...

Cadê? Cadê seus escritos lindos?

;)

Lô disse...

Criando pó por aqui...hahaha

Lô disse...

"E foram muito felizes... por muitos e muitos anos, por muito tempo".