7.3.14


BOM ESCONDER O CHORO DEBAIXO DA CHUVA

Tempos difíceis. Tempos difíceis para caralho. Nada dava certo. Absolutamente nada dava certo para ele. Porra nenhuma. Por todos os caminhos e direções que ele tentou seguir as coisas iam mal e ele quebrou a cara. Tudo muito mal. Muito mal. Tudo errado como se fosse a porra de uma praga, como se ele, ateu, acreditasse nisso. Praga de alguma ex-namorada a quem ele fez muito mal e partiu o coração ou, simplesmente, azar puro mesmo. Puro azar. Contas, contas e mais contas. Brigas, pentelhações, idade, bebibda, vícios, chatice, enfim, tudo na direção contrária. Curioso, não? E ele, ainda assim, tentava acertar. Com uma mira de bêbado, com uma mira de um velho bêbado. Mas, pobre diabo, ele ainda tentava acertar. Sem grana para o aluguel, sem grana para a bebiba, para os cigarros, para a garota do outro Estado que ele curtia, para nada. Mas, imbecil, ele ainda assim tentava acertar. Inútil. Nada dava certo. Nada mesmo. Por todos os caminhos e direções que tentava seguir as coisas iam mal. Muito mal. Como um disco do Led Zeppelin tocado ao contrário em quarenta e cinco rotações, se é que alguém com menos de quarenta anos saiba o que é isso. Batman Cavaleiro das Trevas aos cinquenta anos. Uma praga maldita. Hahahahaha. Uma maldição ao contrário. Mas o que ele mais amava quando estava REALMENTE desesperado como no dia de hoje era andar sob a chuva insana de verão em São Paulo. Amava. Simplesmente amava. É bom esconder o choro desesperado debaixo da chuva. É muito bom esconder o choro desesperado debaixo da chuva. Segunda feira... bah!

Um comentário:

Lô disse...

Belo, muiy belo...pero...con pocos sorrisos guapos que tienes tán lindamente...