15.2.14



VINIL


- O que é isso? – ela perguntou, enquanto desembrulhava o presente que ele havia lhe dado.

- Nunca viu? – ele perguntou incrédulo diante daquela garota linda – Você é o quê? Uma extraterrestre? Parece que mora em cidade pequena – sorriu – Uma ribeirinha – brincou.

Ela gargalhou ao perceber do que se tratava.

- Então? - ele disse – Gostou?

Ela abriu seus lábios vermelhos e deu um sorriso delicioso. Um sorriso lindo. De jasmim. Adorou. Adorou o presente. Típico dele - pensou.

- Então...? – ele insistiu.

- Adorei seu otário. Claro que adorei. E, ainda por cima, você acertou em cheio a banda. Amo Miles Davis e NÃO tinha este álbum em vinil. Só em um cd velho e pirata.

Ele sorriu pretensioso e disse – Claro que acertei. Conheço tudo sobre você. Não percebeu ainda? – provocou de uma forma sacana – tenho uns contatos íntimos com as entidades do além e elas me ajudam a te decifrar. Coisas de zodíaco, carmas, estas coisas. Coisas que você não entende – trolou.

- Imbecil – ela disse, antes de dar um beijo cinematográfico nos lábios dele. Dois apaixonados.

Dois apaixonados.

- Acho que você vai ter que dormir aqui comigo – ela disse com provocação.

- Posso saber a razão? – ele perguntou – Não quero te incomodar. Reservei um hotel barato aqui no Centro para te deixar mais á vontade. Para não te encher.

- Hotel? – ela perguntou.

Ele olhou com surpresa e timidez – É. Um hotel. Não sabia se me queria aqui. Simplesmente não sabia.

- Você está vendo a tempestade que está caindo lá fora? – ela perguntou brava, fingida, sedutora.

Ele deu de ombros e disse terno e suave – É. Está chovendo mesmo. E muito. Acho que o céu vai desabar. Mas não sabia se deveria dormir aqui. Não sabia se você queria. Por isto o hotel.

- Seu burro – ela disparou, abraçando seu pescoço e beijando os seus lábios gordos – Precisamos ouvir este álbum – ela disse com um sorriso e completou - Juntos. Bem juntos mesmo.

Ele sorriu como uma criança tímida. 

Ela sorriu como uma garota esperta.

A noite? Bem, a noite não terminou em hotel qualquer do Centro da cidade. A noite terminou ao som de Miles Davis, gemidos, sussurros, beijos, trovões e muita, mas muita coisa em comum... 

 






Um comentário:

Lorene. disse...

Lindo como um dia ensolarado de primavera. Lindíssimo, de arrancar lágrimas...