31.1.14

PASSE-ME O SAL PARA EU BOTAR NA SOBREMESA?


- Não há nada a desculpar – ele disse pouco tranquilo, muito mentiroso, entre os copos de vodka, as mesas e o barulho do Clube Varsóvia, tentando desviar do olhar adorável, inesquecível e maravilhoso daquela garota à sua frente. Ele a amava.
Ela o olhou com ternura e amizade e fez um carinho breve e gentil no seu cabelo. Por instantes, breves instantes, ela lembrou de todo o afeto e paixão que sentiu por ele no passado. Todo o carinho, o afeto e o amor que sentiu por ele em um passado não tão distante. Como foram felizes.
- Fica tranquila – ele disse e continuou - Nada a desculpar mesmo. Tudo em ordem do meu lado – ele prosseguiu – Você gosta de MPB mesmo. Eu detesto – completou, com um sorriso.
- Você mente mal. Muito mal mesmo sabia? Quase um canastrão – ela brincou e continuou – Esqueceu que te conheço há um tempinho?
- Muito tempo? – ele perguntou, tentando disfarçar, enquanto acendia um Marlboro – Dentre as mentiras da vida, duas nos revelam mais – recitou, citando a antiga canção.
Ela sorriu e apenas respondeu afável e gentil – Não acredito nestas mentiras. Você sabe. E te conheço o tempo suficiente para gostar e conhecer você. Tempo suficiente para isso. E sempre vou gostar. Do meu jeito. Do meu novo jeito, mas sempre irei gostar.
Ele deu de ombros. Emendou – Você é sofisticada demais. Não consigo. Bem, mas ao menos você não vai me perguntar o que eu acho, certo? Poupe-me. Mesmo se eu achar algo, eu digo que não acho, ok? Pode ser?
Ela apenas sorriu. Nada disse.
- Puta que o pariu. O DJ foi genial agora. Vamos para a pista? Rápido.
- O quê? – ela perguntou, surpresa – deixe-me tomar a minha cerveja – pediu -- Vai esquentar e este clube está infernal hoje.
- Não. Nem fodendo.
- O quê? – ela perguntou.
- Não é todo dia que terminamos uma relação e o DJ, abençoado, coloca Sinatra na pista. Vem? Por favor. The way you look tonight.
Ela sorriu e foram riscar o chão do Clube Varsóvia.
Aquela noite foi, provavelmente, a última em que dançariam juntos e, certeza, uma das mais inesquecíveis delas.
Alguém tem um pouco de sal, por favor?
Amores lembrados, segredos abertos, canções confessionais e Frank Sinatra são das sobremesas mais perfeitas que existem...










Nada a Desculpar
Dentre as mentiras da vida
Duas nos revelam mais:
- É um prazer conhece-lo
- Era muito bom rapaz
Eu vou é sair de trás da mesa
Espiar que é que tem ali de baixo
Se eu for embora, vou deixar a luz acesa
E se voltar não limpo os pés no seu capacho
Dizem que é fogo atingir
Com o meu estilingue
As vidraças insensíveis
Do Shopping Center Building
Se você me perguntar
O que é que eu acho
Mesmo que eu ache
Eu já digo que não acho
Enquanto brincam no gramado as moças chiques
Eu quero chuvas pra estragar o piquenique
Eu não provei aquele tipo de xarope
Que está por cima nas pesquisas do IBOPE
Eu estou remando rio acima por prazer
Não há nada a desculpar, foi por querer
Me passe o sal pra botar na sobremesa
O Grande Público cansou minha beleza


Um comentário:

emdorfina disse...

Coisa mais bela... <3
De tirar o fôlego, que já não é muito bom por aqui... ^_^