9.2.10

O RUÍDO QUE PRECEDE O GOZO


Ele suava frio. Muito frio, mesmo debaixo daquele calor infernal do Rio de Janeiro. Quando encarou a porta do elevador do pequeno, porém adorável edifício, decidiu se ia mesmo entrar. Ficou estático por alguns minutos.
- Ei senhor, é no sétimo andar – disse o porteiro, estranhando a lerdeza do rapaz.
- Obrigado – ele respondeu.
Abriu a porta e entrou. Apertou rapidamente o botão do sétimo andar e ficou pensando no que estava fazendo. O elevador subia rapidamente e ele fez um retrospecto de sua vida pequena, desde o instante em que a conheceu, até aquele momento no elevador do pequeno edifício. Ficou contando os andares até o elevador chegar. Saiu da cabine e ficou diante da porta. Apartamento 701. Não sabia se ela estaria feliz de verdade em vê-lo, ou não. Ele gostava de pensar que sim, porém não tinha certeza. Definitivamente não tinha certeza. Ficou parado e enxugou o suor da testa. Lentamente apertou a campainha. Após alguns segundos, a porta lentamente se abriu. Atrás, ela, toda linda, toda sexy, vestindo apenas um conjunto preto de cetim ou algo parecido, curto, deixando seu colo e suas pernas à mostra. Ele ficou enlouquecido. Enlouquecido. Ela sorriu, demoníaca. Endiabrada. Ele entrou e não disse palavra. Em silêncio, dentro do apartamento repleto de velas cor grafite e flores espalhadas, eles se beijaram deliciosamente. Com fúria e vontade. Com fúria e muita vontade. Desejo reprimido pela distância que os separava. O toque, a pele, o cheiro, o beijo, o seio, o pau, os cabelos, tudo virou motivo de desejo. Excitação em uma noite de verão. Excitação deliciosa em uma noite de verão. Em instantes eles estavam nus e trepando como dois jovens amantes. Se o silêncio precede o esporro, o ruído dos gemidos precede o gozo. Delicioso ruído sob a luz de velas cor grafite. E, ao final, o que importa de verdade não é a distância. Não é a distância. O que importa, realmente, é apenas a fotografia que desejo consegue causar. A fotografia de dois jovens completamente enlouquecidos de amor, desejo, vontade e tesão. Fotografia maravilhosa...



Um comentário:

Anônimo disse...

" ...ela sorriu, demoníaca."