22.2.08

O SAGUÃO DE PISO XADREZ

boomp3.com

- Tenso? - ela perguntou, divertida.
Ele sorriu, nervoso, mas permaneceu em silêncio.
- Tenso? - ela insistiu, com seu delicioso sotaque carioca, querendo “ouvir” dele, alguma reação.
- Claro que não - ele mentiu.
Ela deu uma risada alta, solta e deliciosa - Você mente mal, garoto, muito mal.
Ele olhou para o alto, como a buscar um auxílio divino de coragem que, definitivamente, não viria naquele momento.
- E você? - ele disse – Aonde está?
- Perto, muito perto - ela respondeu.
- Será? Será que não desistiu? Será que não decidiu nada diferente? – ele contra-atacou, querendo se sentir seguro.
- Você é tão tolo. Adoravelmente tolo e infantil.
- Infantil? Achei que não. Achei que fosse qualquer coisa, menos infantil.
- Pois é, as pessoas tem a mania de se enganar tão facilmente a seu próprio respeito
- Então, é isso? – ela perguntou – Você?
- Aonde?
- Atrás de você, rapaz.
Ela esqueceu o celular e pôde, finalmente, sentir a voz tão conhecida invadir de verdade o seu ouvido.
Virou e olhou para ela, não acreditando que estavam lá. Frente a frente, naquele saguão de aeroporto cheio de pessoas, de vidas e histórias bem e mal contadas. Com e sem final feliz.
- Então você veio? – ela perguntou, sem saber muito bem o que dizer.
Ele sorriu e ficou em silêncio, enquanto guardava o celular no bolso da calça.
Os olhos se encontraram e nada mais foi dito naqueles exaustivos segundos iniciais.
O que aconteceu depois?
Bem, opções e gomas de mascar são apenas frutos de escolhas.