18.10.07

DISCOS DE VINIL NÃO SALVAM VIDAS?

- Discos de vinil não salvam vidas - Bia sentenciou, profana e canalha
Nanda abriu os olhos em choque - Não? Como não?
- Não, porra. Definitivamente, discos de vinil ou fitas cassete ou ipods ou seja lá o diabo, não salvam vidas. Não.
- Você enlouqueceu? - disse Nanda.
Bia sorriu um sorriso sinistro, triste, inadequado à felicidade. Adequado ao seu momento.
- Claro que salvam. Se você não desistir de se matar ao ouvir Marvin Gaye e Tammi Terrell juntos e cantando apaixonadamente, então não sei o que mais pode te ajudar.
- Nhá. Isso é para você, ingênua e esperançosa.
- Se eu me fodesse, não me afogaria em etanol barato. Me afogaria em lágrimas ao som de um bom soul dos 60s. Estaria salva.
- Que patético.
- Você precisa de um choque de realidade. Um choque de vida. Você precisa de cores.
= Vai começar. Já te disse para parar - pediu Bia.
- Parar nada. Você precisa mesmo. De vida, porra.
- Pára de encher. Você está me irritando - disse Bia.
- Eu preciso te encher para você ver.
- Que tédio.
- Você precisa de um choque de paixão. Uma paixão repentina, uma paixão...
- Um choque de vodka e nicotina e entorpecentes - interrompeu Bia - Isso sim eu preciso.
- Você precisa amar - suspirou Nanda.
Bia olhou para ela furiosa e surpresa. Ferida, disparou sem dó - Amar? Amar? Amar? Que porra você sabe do amor? Que porra você sabe da vida? Que porra você sabe de tomar foras?
Nanda tentou "desdizer" o que havia dito. Tarde demais.
- Você pensa que é fácil amar o lado escuro da lua? O lado errado da vida? Vá se foder Nanda. Vá se foder.
Nanda tentou, desesperada, segurar as lágrimas.
- Você pensa que tudo é muito simples. Quebrar a cara e tomar uma porrada e ficar quieta. Aí vem você com um disco de vinil cafona de canções de amor e acha que vai ajudar? Puta que o pariu Nanda. Vai embora, por favor. E leva esta porra de disco daqui.
Nanda saiu rápido do pequeno apartamento, com o velho Marvin Gaye nas mãos. Não queria que Bia visse seu desespero. Cedo demais. Errado demais. Fez besteira.
- Eu te amo Bia - suspirou Nanda, quase inaudível, agarrada ao seu disco de vinil - Eu simplesmente te amo...
E no final das contas, quem vai dizer que os discos de vinil não salvam vidas?
Quem...?