10.2.05

COMEÇO DE FESTA

Ela estava feliz. Toda feliz. Exceto ela e sua tequila, não havia mais ninguém na pista do Clube Varsóvia. Nenhum cliente, apenas os garçons que arrumavam, lentamente, o ambiente. Ela estava feliz. Toda feliz. O sol ameaçava nascer por entre as frestas da janela, mas ela nem pensava em ir para casa. Era apenas sorriso.

- Gostou da festa, querida? - perguntou Justo, um moreno alto, forte, antigo garçom do Varsóvia e seu amigo de longa data - Foi um dos melhores aniversários do Varsóvia.
Ela sorriu grande, mostrando os dentes perfeitos sem nem tentar esconder toda a sua felicidade.
- Fico muito contente - emendou Justo - Você merece. Foi um sucesso a noite. Foi um sucesso. Pena que já acabou.
Ela fez um sinal negativo com a cabeça, enquanto virava o último gole da tequila - Não Justo, de forma alguma, está tudo apenas começando. Tudo começando.
Ele sorriu e disse, verdadeiramente feliz e moleque - É mesmo. Eu bem vi vocês dois juntinhos, juntinhos.
Ela deu uma gargalhada e despediu-se do amigo com um forte abraço.
Saiu do Varsóvia não como entrou no começo da noite.

Saiu com menos batom, com menos perfume, com mais idade, porém muito mais feliz e com um coração pulando de paixão.

Como num conto de amor... como num conto de amor...

E a canção não saía de sua cabeça - minha mente não esquece você / minha mente não esquece você / até eu encontrar um novo alguém

Ela sorriu por já ter encontrado...


Nenhum comentário: