31.1.05

HOUDINI FAZIA IOGA

Suas unhas longas e bordadas com esmalte preto pareciam querer rasgar o velho colchão de molas do Hotel Varsóvia, tão forte e descontrolada era a pressão que ela exercia sobre o lençol com os seus dedos longos, finos e bonitos, sempre cheirando a cigarro mentolado. Seus cabelos de cor girassol estavam invertidos, em negativo, bagunçados, amassados e completamente ensopados de tanto suor, de tanto tesão, de tanta saliva. Os lábios daquele garoto eram infernais. Feitos para o pecado, feitos para o paraíso. Simples assim. Grossos, carnudos, pálidos, os lábios dele percorriam sem pressa cada centímetro do seu corpo, da sua esquina, da sua pele, das suas dobras, do seu sabor, do seu gosto. Os lábios daquele garoto exploravam e exploravam e exploravam cada detalhe das suas entranhas, da sua carne, dos seus pontos. Cada detalhe do seu corpo. Corpo aberto, explorado, indefeso e molhado. Ele sorvia cada gota de tesão escapava por entre as suas pernas, cada gota de amor que escapava por entre os seus gritos, gemidos, suspiros e declarações de amor. Os corpos entrelaçados pela língua suave formavam uma deliciosa e pagã escultura. Lasciva, ardente, apaixonada. Uma escultura de um casal fazendo amor, trepando, gozando, fodendo. Um casal fazendo mágica, um casal fazendo ioga, um casal sendo feliz. Raro? Não, apenas importante...


27.1.05

DAVID BOWIE EM OPOSTOS

ÓPERA ROCK

- Alô? – ele perguntou, impaciente.

Do outro lado, apenas silêncio.

- Alô, porra. Quem é? Isa? É você? – ele agora gritou, com a paciência toda para lá de Saturno.

Do outro lado, apenas nada.

- Preciso repetir? Preciso dizer todas aquelas coisas que nos machucam de novo? Preciso mesmo? Preciso, puta que o pariu? Por quê raios você insiste em me atormentar? Por quê? Por quê? Já não fizemos o suficiente um ao outro?

Do outro lado, apenas dor.

Ele calou a maldita boca e ficou em silêncio, apenas segurando o telefone e ouvindo a respiração dela, a respiração tão angustiada e fodidamente familiar.

Do outro lado, um murmúrio – Você ia acreditar se eu dissesse que quero tentar? Somente tentar?

Como resposta um grito, um murro imbecil na parede e um quadro quebrado – Voltar? Voltar? VOLTAR? – ele urrou – Como assim, simplesmente voltar?

Do outro lado, apenas angústia e arrependimento.

- Você sabe tudo o que aconteceu entre nós? Você percebeu? Você sentiu? Sentiu?

Ela ficou em silêncio e foi a última vez que ouviu o som doce da sua voz, um tom de ópera rock como David Bowie jamais cantou...

CANÇÃO DE AMOR

- Alô? – ele perguntou, calmo.

Do outro lado, apenas sorrisos.

- Alô. Quem é? Isa? É você? – ele agora disse sereno, como se fosse de hortelã.

Do outro lado, apenas medos bobos.

- Preciso repetir? Preciso dizer tudo aquilo de novo? Preciso mesmo? Preciso? Por quê você insiste em duvidar? Por quê? Por quê? Já não fiz o suficiente? – ele disse, doce.

Do outro lado, apenas alívio.

Ele calou a boca e ficou em silêncio, apenas segurando o telefone e ouvindo a respiração dela, a respiração que ele queria tão próxima.

Do outro lado, uma confissão – Você ia acreditar se eu dissesse que quero tentar? Somente tentar?

Como resposta um grito de alegria, um murro imbecil na parede e um quadro quebrado – Tentar? Tentar? Tentar? – ele urrou de prazer – Somente tentar? Eu quero isto e tudo o mais.

Do outro lado, apenas constrangimento feliz, como adolescente excitada.

- Você sabe tudo o que aconteceu entre nós ontem, né? Você percebeu? Você sentiu? Sentiu? Te amo, porra – ele emendou – E você sabe disso, sempre soube.

E ela ficou em silêncio desajeitada, sorrindo por ter descoberto o amor e feliz por ter percebido o som doce da sua voz, num tom de canção de amor como David Bowie jamais cantou...

17.1.05

CARTÕES POSTAIS EM BRANCO

- Você nunca sabe? – ela perguntou, aflita.
Ele a olhou como se o melhor fosse não dar resposta. Nenhuma resposta. Ficou em silêncio.
- Não? Nunca sabe? Responde caralho. Nunca sabe porra nenhuma? É isto? Ou é apenas um garoto amedrontado e cheio de frescuras, cheio de medos, cheio de dedos, que não gosta de se arriscar? – ela disse firme, fazendo uma força tremenda para não gritar e chamar toda a atenção do Clube Varsóvia para eles.
- Eu não sei o que devo dizer – ele arriscou, sabendo que estava jogando fora os seus últimos argumentos e as suas últimas chances.
Ela sorriu com ironia, com desprezo, com raiva – Não posso acreditar, sabe? Não mesmo. Não sabe o que dizer? Neste momento?
Ele assentiu com a cabeça, enquanto virava o resto da cerveja quente que sobrou em seu copo.
- Que tal dizer a verdade? – ela sugeriu – Que tal dizer a verdade ao menos uma vez.
Ele a encarou, agora furioso, praticamente fora de controle - O que muda? – perguntou – O que muda na merda da sua vida qualquer resposta que eu possa te dar? Você vai deixar de viajar com ele? Você vai deixar os seus planos de ir estudar naquele fim de mundo que chamam de Europa? Você vai abandonar a porra da bolsa que conseguiu? Você vai dar um pulo de alegria? Você vai arriscar os seus planos, os seus sonhos, as suas vontades? – É isso? Por causa de um beijo? Por causa de uma noite?
Ela desviou os olhos dele, rápido. Não queria, de forma alguma, que ele notasse e percebesse como eles estavam ficando molhados. Tristes. Sem cor. Ela ficou quieta por alguns instantes. Ele também. Ficaram apenas ouvindo a música que gritava nos alto falantes do Varsóvia.

- Há quantos anos nos conhecemos? – ela perguntou, finalmente quebrando o silêncio dos dois.
Ele franziu a testa e respondeu, sem a menor dúvida – Nove anos.
- Caralho – ela exclamou – Uma vida, não?
- Uma vida – ele concordou – Longa e feliz, né? Vai me escrever postais? – disse após acender um cigarro.
Ela sorriu, carinhosa – Claro que sim. Rabiscar postais, mandar fotos e escrever cartas. Vou aproveitar os cafés parisienses querido, pode apostar.
- Eu sei que você vai deixá-los em branco. Eu apenas sei. Mas, aproveite para ser feliz menina. É isto o que mais quero de você, sabia? – ele finalizou, num tom bossa nova, num tom triste.
Ela corou e sorriu e apenas ergueu o seu copo como numa espécie de celebração de adeus.
- Aos nossos próximos e distantes nove anos – ela gritou.
- Aos nossos passados e tão nossos nove anos – ele concordou.



11.1.05

NADA DEMAIS PARA A CIDADE DEBAIXO DELE

E de todas as coisas boas dos sonhos e de todos os seus desejos escondidos, o que ele mais desejava naquela noite era sentir, ainda mais uma vez, o perfume suave dela. O suave e gentil perfume grafite que exalava do seu pescoço fino e magro, porém delicioso, que ele adorava morder e mordiscar. E de todas as coisas boas dos sonhos e de todos os seus desejos escondidos, o que ele mais desejava naquela noite era sentir, ainda mais uma vez, o perfume suave do seu corpo todo. Corpo lindo, corpo lindo, que ele adorava beijar, arranhar, gozar, gemer. O corpo com o qual ele adorava trepar e fazer amor. O corpo da sua maior e mais devastadora e mais verdadeira paixão. Paixão para poucos.

E naquele apartamento velho, sentado sobre o chão de madeira podre cheirando a memórias inexpressivas de fantasmas já enterrados, tudo o que ele podia fazer era observar, através da sua janela, a paixão dos outros, a paixão da cidade. As luzes, os carros, os anseios, os medos, os raios, os contornos e os desejos da madrugada. A paixão dos outros. A paixão de poucos.

E seus dedos cheiravam a cigarro mentolado.

E seus lábios cheiravam a vodka barata.

E seus rins destilavam arrependimento.

E seus medos eram verdadeiros.

E ele não podia fazer mais nada, exceto lembrar e esquecer as besteiras que fez.

E seus olhos eram apenas lágrimas.

Nada demais para a cidade debaixo dele...


5.1.05

O SILÊNCIO É UMA PORTA TRANCADA

Você vai ficar aí, parada? - ele pensou, ansioso.

Ela olhava fixo para o céu, como uma criança, aonde explosões barulhentas e constantes geravam luzes coloridas, deliciosas, psicodélicas, alegres, inconstantes.

E você vai ficar aí, apenas parada? - ele pensou novamente, olhando para ela e não para o céu colorido de reveillon.

Ela sorria sozinha, feliz e feliz pela bebida e pela excitação e ele apenas a encarava.

Até que finalmente ela parou e o olhou com muito carinho e deu um dos abraços mais quentes que ele jamais havia experimentado - Feliz ano novo, meu querido e melhor amigo.

Ele chorou. Não pela declaração, mas por perceber que jamais falaria as palavras certas.

Não as que ela queria escutar, mas as que ele sonhava em dizer.

Somente sonhava em dizer.