11.10.04

SEXY CHUVA

Os vidros estavam embaçados demais, completamente turvos, formando uma redoma protetora, um campo de força, uma película invisível, enfim, um mundo à parte, descolado do nosso, para ele e para ela.

Os vidros estavam embaçados demais e era praticamente impossível, de dentro, enxergar as gordas gotas de chuva que desabavam sobre aquele carro parado.

E eles se importavam com isto?

Claro que não...

A chuva gelada e congelada sofria um nocaute técnico quando em contato com o calor que emanava do veículo.

O ar estava quente. Quente demais.

Quente por beijos, por toques, por carinhos, dedos molhados, por lábios mordidos, peitos suados, corpos aquecidos, línguas, cheiros, bocas, desejos, roupas, falta de roupas, por arrepios.

Eles se beijavam como se a chuva não fosse acabar. Como se o mundo fosse explodir, como se a lua fosse gritar, como se a noite pudesse sentir.

Ela, molhada. Ele, também.

A pele era uma só.

Um doce aroma de despudor e delícia impregnava seus corpos.

Ele sorria.

Ela também.

O amor estava no ar.

Os vidros estavam embaçados demais para que qualquer ser humano pudesse perceber isso. Perceber o quanto eles se amavam... o quanto eles se amavam...




Nenhum comentário: