23.8.04

NA MADRUGADA,AS LUZES SÃO TÃO FRACAS

Ele tocava os teclados do seu piano como se estivesse esmurrando alguém. Na verdade, ele não estava tocanado nada. Estava apenas socando as notas, socando o desejo, socando os seus sonhos, destruindo a sua vida frustrada cheia de dor. Não havia música. Havia apenas dor.

Em cima do piano não havia mais espaço para as latas de cerveja amassadas, as fotos jogadas e os cinzeiros sujos. As sobras dos cigarros transbordavam, como se fossem afogá-lo. Como as lágrimas que insistiam em pular dos seus olhos azuis.

Ele socava o piano.

E nas suas mãos, havia sangue do esforço repetido. Na sua mente, havia o olhar dela, lindo. No coração, havia um vazio. Na boca, o gosto do seu batom.

Amor impossível.

Como ele pôde perceber (tarde demais) que ELA era a mulher da sua vida?

Tarde demais... tarde demais.

A mulher do seu melhor amigo.

Na sua mente havia apenas medo.

Na madrugada? Nem as estrelas ousaram brilhar.

Nem as estrelas.

E ele apenas tocava piano. Esperando a luz chegar.

...

"It was late last night
I was feeling something wasn’t right
There was not another soul in sight
Only you, only you
So we walked along,
Though I knew there was something wrong
And the feeling hot me oh so strong about you
Then you gazed up at me and the answer was plain to see
’cause I saw the light in your eyes"
(I saw The Light - Todd Rundgren)

Nenhum comentário: