3.7.03



A VIDA É SEMPRE VELOZ

Tudo acontece tão rápido nessa vida que eu chego a ficar assustado...

Essa frase – pronunciada por um velho amigo - ecoava sem parar na sua cabeça. Sem parar. Ele tem razão - ela pensou – Toda a razão. A vida é extremamente veloz e eu chego a ficar assustada com tudo isso. Feliz? Porra, fico muito feliz, mas também assustada, bem assustada.

Tudo acontece tão rápido nessa vida que eu chego a ficar assustado...

Ela tinha curtos cabelos coloridos. Bem, hoje eles estão menos coloridos. Cor indefinida. Porém, durante toda a sua adolescência, não foram raros os dias em que ela teve que acordar e olhar atentamente para o espelho, com seus olhos grudados de sono, antes de poder afirmar com toda a convicção qual a efetiva cor dos mesmos. Eles já foram de todas as cores possíveis. E, por isso, reclamavam. E o pior é que não reclamavam somente por isso. Reclamavam por tudo. Ela tem tatuagem – reclamavam. Ela fala palavrão – reclamavam – Ela pensa que escreve bem – reclamavam – Ela pensa que vai ser alguém – reclamavam. E reclamavam e reclamavam e reclamavam. Sobre qualquer coisa. Sobre qualquer aspecto da vida daquela garota que os irritava. Quem reclamava? Ora, vocês sabem, os idiotas, os imbecis, aqueles que têm quase nada ou muito pouco a fazer. Aqueles que, por ressentimento ou inveja ou medo ou o caralho, têm medo de viver as suas próprias vidas e, portanto, preocupam-se em aniquilar com a dos outros. Destruir o que vive sozinho. Independente. Qual a importância dessas pessoas? Nenhuma porra, absolutamente nenhuma, mas, confesso, ela teve que respirar muito fundo antes de mandá-las, merecidamente, a uma longa viagem sem volta para o inferno. Mas, deixando de lado os idiotas, ela estava feliz naquela tarde. Naquela tarde ensolarada de início de verão. Naquela tarde, simples, o que realmente importava para ela era o fato de ter finalmente percebido, pela primeira vez em seus vinte e poucos anos, que tudo acontece muito rápido nesta vida. Muito rápido.

Tudo acontece tão rápido nessa vida, que eu chego a ficar assustado...

Naquela tarde cheia de sol e de verão e de brisas frescas e de pessoas vivas andando para lá e para cá, com tanto e tão pouco rumo certo, ela se viu sentada naquele café, tranqüila, bebericando um delicioso copo de chá de hortelã gelado. Ela sorriu da cena que estava protagonizando. Chá de hortelã gelado. O que os idiotas diriam? – pensou, com um sorriso. Nada de vodka, nada de cigarros, nada de noite, nada de fumaça, nada de loucas e deliciosas pirações. Tudo isso ficou para depois. Não para nunca mais, óbvio, apenas para depois, afinal, tudo acontece tão rápido nessa vida que o amanhã daqui a pouco é hoje.

E, assim, ela ficou por toda a tarde naquele café, apenas com o seu chá gelado, com o seu doce dia de verão, com os seus pensamentos e com a sua barriga tão lotada de vida.

Ela estava grávida e feliz... extremamente feliz...

Tudo acontece tão rápido nessa vida... que bom...



Nenhum comentário: