29.7.03



LÁGRIMAS DE NEVE

POR FAVOR, USE OS HEADPHONES
(GENESIS – MORE FOOL ME)


E lá estava ele naquele país estranho, com pessoas diferentes do seu mundo, que não falavam a sua língua e não entendiam o que ele sentia. E lá estava ele sozinho, como de hábito. Sozinho e em Varsóvia. Polônia. Em pleno começo de inverno e sentindo um frio quase igual ao da sua alma. Glacial. E ele mal lembrava como havia ido parar naquela gelada e distante cidade. O que começou como uma fuga, acabou virando a sua vida. Uma vida de estações de trem, cozinhas de restaurantes baratos, cigarros grosseiros, roupas sujas e desgastadas e pouco, bem pouco dinheiro. O destino final? A fria Varsóvia. Foda-se – ele pensou – Ao menos faço o que quero da vida.

Só que sozinho. Sem ela. E em pleno inverno glacial.

E naquela manhã, ao sair da cama, ele nem percebeu que a noite mal dormida foi apenas um prenúncio de que, após seis meses de fuga, o passado estava de volta para lhe encarar, lhe ferir, lhe machucar. Ele saiu da cama e, enquanto acendia o primeiro cigarro do dia, resolveu abrir a velha e suja cortina bordô do seu quarto. Entrou em uma espécie de transe ao olhar através da janela. A rua estava coberta de neve. Branca como nuvem, cruel como “ela”, fatal como o seu passado e doce como um beijo. E ele lembrou do último dia em que ela quebrou o seu coração. Não, ela não disse “adeus”, tampouco “até mais”, apenas virou-se e foi embora, em silêncio. Num agonizante e desesperador silêncio fúnebre.

E ele chorou e chorou e chorou desesperado. Chorou como uma criança, vendo os brancos flocos cobrindo a calçada.

Era a primeira vez que via neve na vida. E não queria que fosse assim. Dolorido como perder o primeiro grande amor. Dolorido como perder a própria vida.



More Fool Me
(Gênesis)


Here am i
Who while away the mornings
Since you’ve gone
Too long have I lay alone
Not knowing which way to turn.

And there you are
Quite sure that you were right
Knowing full well
That I’d be the first one
To go down.

And you’d be the one who was laughing
Except when things weren’t going your way
And then the lady would say that she’d had enough
Wandering around on her own.

The day you left
Well I think you knew you’d not be back
Well at least it would seem that way
Because you never said goodbye.
But when it comes round to you and me
I’m sure it will work out alright.

And you’d be the one who was laughing
And giving me something I don’t need
And you know, I’d always hold you and keep you warm
Oh! more fool me.

Ah, but when it comes
Round to you and me
I ask myself
Do I really believe
In your love.

Yes, I’m sure it will work out alright.



parece que voltei a escrever...que bom


QUANDO O SILÊNCIO É MAIS DEVASTADOR DO QUE UMA PORRADA

- Pára de me magoar, porra! - ela pediu, aflita e chorando.
- Você sabe que isso é impossível - ele respondeu, com desprezo e continuou - A não ser que eu faça uma coisa.
- O quê? - ela insistiu, com os olhos borrados de tantas lágrimas.
- Saia daqui em silêncio. Sem te dizer porra nenhuma.

Ela nada disse...socou a parede e desejou que o tempo voltasse. Apenas para tentar aprender a não errar.

25.7.03



COMEÇO, MEIO E SORRISOS

POR FAVOR, USE OS HEADPHONES
(FIRE INC. – TONIGHT IS WHAT IT MEANS TO BE YOUNG)


Ela estava cansada. Cansada demais de tanto quebrar a cara. Cansada demais de tanto chorar. Cansada demais de tanta indiferença. Cansada demais. Apenas cansada demais. Mas, no fundo, bem lá no fundo, ela estava orgulhosa por, ao menos, estar tentando ser feliz. Estar tentando ter alguém, estar tentando encontrar o caminho, estar tentando sorrir, estar... tentando. É difícil isso – ela pensou – Difícil e sofrido, mas tem valido a pena – continuou.

E no seu quarto, naquela noite de verão insuportável, entre as gotas de suor, as fotos jogadas na cama, os bilhetes mal escritos pelos idiotas, as declarações de amor nada sinceras lançadas na sua face de uma forma absolutamente leviana, as suas memórias, as xícaras sujas de capuccino, os seus livros e os seus discos, ela decidiu que mesmo com o passar de todos esses anos, ela ainda iria continuar tentando. Ainda que morresse por isso. É isso o que significa ser jovem – pensou com um sorriso – E é exatamente isso o que quero para a minha velhice: ser jovem e ser feliz...




Tonight is what it means to be young
(Fire Inc.)

I've got a dream 'bout an angel on the beach
And the perfect waves are starting to come
His hair is flying out in ribbons of gold
And his touch has got the power to stone
I've got a dream 'bout an angel in the forest
Enchanted by the edge of a lake
His body's flowing in the jewels of light
And the earth below him's starting to shake

But I don't see any angels in the city
I don't hear any holy choirs sing
And if I can't get an angel
I can still get a boy
And a boy'd be the next best thing
The next best thing to an angel
A boy'd be the next best thing

I've got a dream 'bout a boy in a castle
And he's dancing like a cat on the stairs
He's got the fire of a prince in his eyes
And the thunder of a drum in his ears
I've got a dream 'bout a boy on a star
Looking down upon the realm of the world
He's there all alone and dreaming of someone like me
I'm not an angel but at least I'm a girl

I've got a dream when the darkness is over
We'll be lying in the rays of the sun
But it's only a dream and tonight is for real
You'll never know what it means
But you'll know how it feels
It's gonna be over (over)
Before you know it's begun
(Before you know it's begun)

It's all we really got tonight
Stop your crying hold on (tonight)
Before you know it it's gone (tonight)
Tonight is what it means to be young
Tonight is what it means to be young

Let the rebels begin
Let the fire be started
We're dancing for the restless and the broken-hearted
Let the rebels begin
Let the fire be started
We're dancing for the desperate and the broken-hearted
Let the rebels begin...(Tonight is what it means to be young...)
Let the fire be started...(Before you know it it's gone...)
We're dancing for the restless and the broken-hearted
Let the rebels begin
Let the fire be started
We're dancing for the desperate and the broken-hearted

Say a prayer in the darkness for the magic to come
No matter what it seams
Tonight is what it means to be young
Before you know it it's gone
Tonight is what it means to be young
Before you know it it's gone

I've got a dream when the darkness is over
We'll be lying in the rays of the sun
But it's only a dream and tonight is for real
You'll never know what it means
But you'll know how it feels
It's gonna be over (over)
Before you know it's begun

It's all we really got tonight
Stop your cryin' hold on (tonight)
Before you know it it's gone (tonight)
Tonight is what it means to be young
Tonight is what it means to be young...

The things they say
And then the things they do
Nothin's gonna stop us if our dream is true...



DERRETENDO EM LÁGRIMAS E CHOCOLATES

POR FAVOR, USE OS HEADPHONES
(SEMISONIC - SUNSHINE AND CHOCOLATE)


- Não entendo você – ela disse, atordoada com a porrada que havia acabado de levar.
- Não entende o quê? Que eu não te quero mais? Cansei porra, qual o problema com isso?
- Qual o problema? Qual o problema? – gritou – O problema, seu filho da puta, é que você não pode e não tem o direito de entrar na porra da minha vida da forma como entrou, mergulhando de cabeça nela, me fazendo acreditar numa série de coisas e agora, sem mais nem menos, você acorda e diz “tchau”, “valeu”, “é isso aí”, “nos encontramos na vida”. Vá se foder otário. Você pensa que pode fazer o que bem entender? – berrou, tentando com todas as suas forças não chorar. Ao menos na frente dele.
- Dan, eu posso ter feito uma porrada de bobagens e ter agido como um tremendo um filho da puta. Mas eu quero que você entenda que eu não fiz nada disso para magoar você. Eu realmente acreditei que poderíamos dar certo. Muito certo.
- É? Verdade? – ela disse com sarcasmo – Vai me dizer que tudo mudou do nada, que eu sou legal, mas não sou a pessoa certa, que eu não sou a mulher que você sonhou? Vai dizer isso?
- Não – ele respondeu, seco e triste – Vou apenas dizer que não te amo mais. Apenas isso – disse, abrindo a porta e saindo da casa.

Ela olhou com tristeza a maldita porta amarela. Seus olhos encheram-se de lágrimas e ela começou a gritar de dor. Passou o resto da noite acordada e comendo chocolates e chorando e desejando que o dia nascesse logo. Mas, no fundo, tudo o que ela queria era saber porque na sua vida tudo acontecia sempre tão tarde. Tarde demais...



Sunshine and Chocolate
(Semisonic)

All my life I've been looking for
The perfect mate
And when I finally found the one
It was almost too late
Underneath the auditorium
She showed me why
I would have waited all of my life
For somebody like

Sunshine and chocolate all over me
In my mouth and on my tree
Round my body under my hat
Sunshine and chocolate just... like... that

I was alone when I woke up
And found the note
It said you surely know how to fuck
But I gotta go
I hope you find someone to take care of
And give yourself to
And until I get to kiss you again I wish you

Sunshine and chocolate every day
In your work and in your play
In your mouth and down your back
I wish you, I wish you, I wish you that
Sunshine and chocolate all over you
Over everything you do
On your body and in your mind
Sunshine, chocolate, everything fine

Now my eyes are open wide
As I travel around
Maybe some summer day I'll find
Her face in the crowd singing...

Sunshine and chocolate everyday
In your work and in your play
In your mouth and down your back
I wish you, I wish you, I wish you that
Sunshine and chocolate all over you
Over everything you do
On your body and in your mind
Sunshine, chocolate, everything fine



não esqueci das canções, apenas ando com saudades da minha vida. Agora tudo volta ao normal. As canções? Elas estão aí em cima. E eu não escrevo só sobre canções desconhecidas. Eu escrevo sobre canções bonitas. Para mim ou para vocês ou para todos nós...conversados?

17.7.03



DANÇANDO EM PISTAS SUPOSTAMENTE VAZIAS

POR FAVOR, USE OS HEADPHONES
(BEN HARPER – WALK AWAY)


O Clube Varsóvia estava quase vazio naquela noite. Era feriado na cidade e, portanto, as poucas almas que habitavam o Clube haviam partido para outros endereços, outros lugares, outras vidas. Mas, apesar disso, dessa tranqüilidade inesperada, a noite estava agradável no Varsóvia. Uma noite realmente agradável. E surpreendente.

No centro da pista estava ela. Dançando e cantando e vivendo e sendo feliz, na medida do possível, na medida do que lhe era permitido ser. E enquanto dançava e pulava, acompanhada apenas de um copo de vodka, ela foi interrompida por um adorável moço estranho, um adorável moço desconhecido.

- Oi – ele disse, tímido e desconfiado, como não querendo, mas, no fundo, desejando ardentemente interrompê-la.
- Oi – ela respondeu
- Você dança muito bem – ele disse, sorrindo.

Ela o olhou com atenção e respondeu direta – Nem tanto, nem tanto. Apenas danço com vontade. Veja bem – disse enquanto saltitava - Eu apenas pulo de um lado para o outro, sem o menor critério, e chuto o ar, também sem o menor ensaio, e fico aqui, quieta no meu canto, orando fervorosamente para não acertar ninguém que queira me bater depois, caso isso aconteça – riu da própria piada.
Ele devolveu o sorriso e disse – Que viagem. Ninguém seria capaz de se incomodar com você. Essa pista fica tão mais linda com você deslizando sobre ela.

Ela sorriu da cantada rasteira e nada disse. Apenas observou melhor aquele lindo garoto plantado à sua frente. Afastou seus tolos pensamentos de que não era capaz de interessar a alguém tão bonito e perguntou – Vamos tomar alguma coisa?
- Não. Mais tarde. Ensina-me a dançar? – ele pediu
Ela olhou surpresa para aquele menino lindo e consentiu com a cabeça, meio sem jeito, meio sem graça.
- O que você quer aprender a dançar? – ela perguntou
- Espera aí – ele disse, indo em direção ao DJ para falar baixinho ao seu ouvido.
Ela o aguardou curiosa e tão logo ele se aproximou ela disse – O que você pediu ao DJ?
Ele a olhou com segurança e disse – Apenas uma música – e sorriu
- Posso saber que tipo – ela insistiu.
Assim que começaram os primeiros acordes, ela ficou surpresa. Feliz e surpresa. Como por encanto, ele havia escolhido uma de suas músicas prediletas. Uma de suas músicas favoritas. - - O tipo de música? – ele disse - Música para ser feliz. Apenas música para beijar a moça mais bonita do baile e dizer que o sol pode significar muito mais do que um outro dia. Só isso.

E enquanto beijavam-se, os seus pensamentos afogaram-se em sorrisos e ela decidiu, naquela pista, jamais deixar de confiar na única pessoa em que poderia confiar para ser feliz. Ela própria...



WALK AWAY
(Ben Harper)


Oh no
Here comes that sun again
That means another day
Without you my friend
And it hurts me
To look into the mirror at myself
And it hurts even more
To have to be with somebody else
And it's so hard to do
And so easy to say
But sometimes
Sometimes you just have to walk away
Walk away
With so many people
To love in my life
Why do I worry
About one
But you put the happy
In my ness
You put the good times
Into my fun
And it's so hard to do
And so easy to say
But sometimes
Sometimes you just have to walk away
Walk away
And head for the door
We've tried the goodbye
So many days
We walk in the same direction
So that we could never stray
They say if you love somebody
Than you have got to set them free
But I would rather be locked to you
Than live in this pain and misery
They say time will
Make all this go away
But it's time that has taken my tomorrows
And turned them into yesterdays
And once again that rising sun
Is droppin' on down
And once again you my friend
Are nowhere to be found
And it's so hard to do
And so easy to say
But sometimes
Sometimes you just have to walk away
Walk away
And head for the door
You just walk away
Walk away




OUTRA VIDA

- Me faz um favor? – ele pediu
- Claro – ela respondeu, com um sorriso.
- Fica comigo agora. Eu te amo.
E beijaram-se

OUTRO ENDEREÇO

- Me faz um favor? - ela pediu
- Se eu ainda puder – ele respondeu
- Me devolve aquela foto, que eu adoro, em que estou tocando violão?
- Não posso – ele respondeu – Rasguei em mil pedaços.
E despediram-se

15.7.03



ah, e se alguém quiser sugerir uma canção para algum texto...eu adoraria saber.



Ah, e as idéias boas são apenas idéias boas para mim, não tem nada de arrogante nisso...mas espero que gostem.



Então vamos combinar uma coisa? Eu prometo que vou postar amanhã tá? Estou com idéias boas e saudades...muitas saudades.

3.7.03



A VIDA É SEMPRE VELOZ

Tudo acontece tão rápido nessa vida que eu chego a ficar assustado...

Essa frase – pronunciada por um velho amigo - ecoava sem parar na sua cabeça. Sem parar. Ele tem razão - ela pensou – Toda a razão. A vida é extremamente veloz e eu chego a ficar assustada com tudo isso. Feliz? Porra, fico muito feliz, mas também assustada, bem assustada.

Tudo acontece tão rápido nessa vida que eu chego a ficar assustado...

Ela tinha curtos cabelos coloridos. Bem, hoje eles estão menos coloridos. Cor indefinida. Porém, durante toda a sua adolescência, não foram raros os dias em que ela teve que acordar e olhar atentamente para o espelho, com seus olhos grudados de sono, antes de poder afirmar com toda a convicção qual a efetiva cor dos mesmos. Eles já foram de todas as cores possíveis. E, por isso, reclamavam. E o pior é que não reclamavam somente por isso. Reclamavam por tudo. Ela tem tatuagem – reclamavam. Ela fala palavrão – reclamavam – Ela pensa que escreve bem – reclamavam – Ela pensa que vai ser alguém – reclamavam. E reclamavam e reclamavam e reclamavam. Sobre qualquer coisa. Sobre qualquer aspecto da vida daquela garota que os irritava. Quem reclamava? Ora, vocês sabem, os idiotas, os imbecis, aqueles que têm quase nada ou muito pouco a fazer. Aqueles que, por ressentimento ou inveja ou medo ou o caralho, têm medo de viver as suas próprias vidas e, portanto, preocupam-se em aniquilar com a dos outros. Destruir o que vive sozinho. Independente. Qual a importância dessas pessoas? Nenhuma porra, absolutamente nenhuma, mas, confesso, ela teve que respirar muito fundo antes de mandá-las, merecidamente, a uma longa viagem sem volta para o inferno. Mas, deixando de lado os idiotas, ela estava feliz naquela tarde. Naquela tarde ensolarada de início de verão. Naquela tarde, simples, o que realmente importava para ela era o fato de ter finalmente percebido, pela primeira vez em seus vinte e poucos anos, que tudo acontece muito rápido nesta vida. Muito rápido.

Tudo acontece tão rápido nessa vida, que eu chego a ficar assustado...

Naquela tarde cheia de sol e de verão e de brisas frescas e de pessoas vivas andando para lá e para cá, com tanto e tão pouco rumo certo, ela se viu sentada naquele café, tranqüila, bebericando um delicioso copo de chá de hortelã gelado. Ela sorriu da cena que estava protagonizando. Chá de hortelã gelado. O que os idiotas diriam? – pensou, com um sorriso. Nada de vodka, nada de cigarros, nada de noite, nada de fumaça, nada de loucas e deliciosas pirações. Tudo isso ficou para depois. Não para nunca mais, óbvio, apenas para depois, afinal, tudo acontece tão rápido nessa vida que o amanhã daqui a pouco é hoje.

E, assim, ela ficou por toda a tarde naquele café, apenas com o seu chá gelado, com o seu doce dia de verão, com os seus pensamentos e com a sua barriga tão lotada de vida.

Ela estava grávida e feliz... extremamente feliz...

Tudo acontece tão rápido nessa vida... que bom...



2.7.03



THE KILLING JOKE

- Hahahaha – ele gargalhava enquanto tentava acender um cigarro naquela velha mesa de bar no centro da cidade – Você lembra da “Piada Mortal”? – continuou, quase sem ar.
Ela respirou, franziu a testa, pensou um pouco, virou mais um gole de vodka e respondeu – Tem a ver com o Batman, né?
- Exatamente Estela, tem a ver com o Batman – ele sorriu – A “Piada Mortal” foi uma história em quadrinhos que ficou bem famosa nos anos oitenta.
- Tá, e?
- Tudo gira em torno das contradições entre o Batman e o Coringa e conflitos internos e o caralho, mas isso não importa agora. O que importa é que, no final da história, o Coringa vira para o Batman, quase chorando – ele havia sido derrotado mais uma vez - e diz: “Batman, você conhece a piada da lanterna?” – O homem-morcego responde, seco “Não”. O Coringa então prossegue: “Em um hospício, um dos internos foi até a sala do médico chefe e disse - Doutor, os demais pacientes querem fugir daqui. O médico o observou atento e perguntou - Como? Eles querem fugir? O interno, então, olhou em sua direção e respondeu, sereno e em tom de quase segredo – Sim, eles querem fugir. Um deles conseguiu uma lanterna. Ele vai acendê-la no topo do edifício aqui do manicômio e todos os que quiserem fugir vão se equilibrar pelo fio de luz produzido pela lanterna, até chegar ao topo do prédio vizinho. Eles são loucos, não são? O médico, ainda mais atento, perguntou – E por que você não vai fugir com eles? Por que eles são loucos? O interno olhou atentamente nos olhos do médico e respondeu, desconfiado – Exato. E se eles apagarem a lanterna enquanto eu estiver atravessando para o outro lado?”.

...e se eles apagarem a lanterna enquanto eu estiver atravessando para o outro lado...

E assim, rindo pelas piadas e pelas vodkas e pela noite, ela chegou no seu pequeno apartamento. Ele estava tão bêbado quanto ela. Não subiu. Melhor assim – ela pensou – Dois bêbados em um único ambiente significa muita, mas muita confusão. E entre seus pensamentos, ela deixou as chaves e os cigarros jogados em qualquer lugar perto do som e tentou chegar ao seu quarto. Estava mal. Estava tropeçando. Não conseguia manter os olhos fixos em nada. Estava completamente bêbada. Completamente alterada pela vodka. Seu quarto mais parecia um caleidoscópio pervertido. Cheio de cores, luzes e pensamentos estranhos. De repente, tudo pareceu parar de girar. Seus olhos vermelhos encontraram sobre a cama desarrumada, o retrato que ela havia revelado no trabalho antes de ir para o bar. O primeiro retrato que ela havia tirado dele. Com ele. Sua cabeça pareceu desistir de rodar. A vodka foi direto para o espaço. Seus olhos se encheram de lágrimas. Ela quis gritar de felicidade. Depois de tantas porradas, finalmente havia encontrado o seu feixe de luz. E não importa quão louca ela podia ser, não seria ela, por certo, que o apagaria. Depois de todo esse tempo, ela só queria ser feliz. E louca, se assim necessário fosse...