7.5.03



Por Favor, Use os Headphones
"Save Me"
(Aimee Mann)


- Então? – ele perguntou, enquanto parava o seu carro bem em frente ao apartamento dela.
- Chegamos, né? – ela disse, com um ligeiro sorriso.
- É, chegamos. Fico feliz por você. Não há nada mais agradável do que mergulhar embaixo das cobertas quentes, nesse frio de rachar que está fazendo. Veja os vidros do carro. Estão completamente embaçados.
- Tem razão – ela respondeu – Realmente está um frio de matar. E esses vidros embaçados dão uma falsa pista do que estamos fazendo aqui dentro desse carro, não acha?
Ele sorriu da brincadeira e disse – É mesmo. O porteiro vai pensar em toda a sorte de delírios eróticos. Com essa violência toda que assola o mundo, somente um carro com duas pessoas absolutamente sedentas por sexo dentro dele, poderia estar estacionado na rua, às quatro e meia da manhã, com os vidros absolutamente embaçados.
Ela olhou para ele, carinhosa, e disse – Não vou te convidar para subir, tá?
- Tudo bem – ele disse, desviando o olhar.
- Você não vai ficar chateado? Por favor?
- Não, claro que não. Está tudo bem. A noite foi ótima.
- Foi mesmo. Foi uma das melhores noites que tive em muito tempo. Acredite em mim. Bebi, sorri, dancei, me diverti...
- ... beijou – ele a interrompeu.
- Isso. Beijei. E foi muito bom. Mas preciso pensar um pouco a respeito disso tudo, ok? Não quero me precipitar. Até ontem você era o melhor amigo do meu ex-namorado. Aliás, até semana passada eu o namorava. Não quero apressar as coisas. Quero estar certa de que não vamos arrebentar a nossa cara com uma força devastadora e sem volta.
Ele olhou-a, compreensivo, enquanto ela prosseguiu – Então, tudo bem?
- Tudo. Fique tranqüila – ele respondeu.
- Então eu vou subir para as minhas cobertas quentinhas e você vai para casa dormir como um anjo. Combinado?
- Amanhã você me liga? – ele perguntou.
- Pode ser, pode ser.
Trocaram ainda mais um beijo longo antes de ela sair do carro com um sorriso grande. Na entrada do prédio, ela se virou e acenou e mandou um beijo para o carro parado. Ele ficou lá, dentro do veículo, com a cabeça encostada no vidro e observando aquela mulher linda desaparecer por entre a entrada do edifício antigo. Ficou quieto, apenas ouvindo uma antiga canção de amor que estava tocando no rádio, enquanto seus dedos desenhavam palavras desconexas no vidro embaçado. Decidiu ir embora e ligou o carro. Não percebeu que os seus dedos quentes e cheirando a fumaça de cigarro, havia deixado o recado estampado no vidro úmido do carro. Havia escrito “salve-me”. E nem sequer havia percebido isso. Até a mensagem desaparecer. Até a mensagem desaparecer...

Save Me
(Aimee Mann)


You look like... a perfect fit,
For a girl in need... of a tourniquette.
But can you save me?
Come on and save me...
If you could save me,
From the ranks of the freaks,
Who suspect they could never love anyone.

'Cause I can tell... you know what it's like.
A long farewell... of the hunger strike.
But can you save me?
Come on and save me...
If you could save me,
From the ranks of the freaks,
Who suspect they could never love anyone.

It struck me down, a Greyhound,
Like Peter Pan, or Superman,
You have come... to save me.
Come on and save me...
If you could save me,
From the ranks of the freaks,
Who suspect they could never love anyone,
Except the freaks,
Who suspect they could never love anyone,
But the freaks,
Who suspect they could never love anyone.

Come on and save me...
Why don't you save me?
If you could save me,
From the ranks of the freaks,
Who suspect they could never love anyone,
Except the freaks,
Who suspect they could never love anyone,
Except the freaks,
Who could never love anyone



Nenhum comentário: