1.4.03



PALAVRAS ALHEIAS (...OU QUEM NÃO VIVEU ISSO?)

Existe algo de errado em ser solitário, em sentir solidão. Mas nem sempre é assim, pode ser sustentável e coerente sentir-se só as vezes. Ela sempre tinha sido uma garota muito popular, cheia de amigos legais que iam a lugares legais. Vivia rodeada de pessoas, todos sempre queriam sua companhia, afinal, ela era divertida, e era mestre em arrancar risadas e sorrisos de quem estivesse ao seu lado. O tempo foi passando, e ela ficando menos feliz, e menos sorridente. Tinha razões para isso. Mas não queria falar. Dividiu sua aflição com um amigo, o mais querido de todos, que apesar de ter entendido seu problema não tinha como solucioná-lo. Mas poderia ajudá-la, sem dúvida. Não se esforçou muito para amenizar as dores da amiga. Mal sabia, que um simples convite para um cinema, uma volta no shopping qualquer banalidade, a faria sentir mais viva, e importante. Engraçado, qdo ela não estava em condições de divertir as pessoas, elas se foram. Uma a uma. E do dia para noite não recebia nenhum convite, nem telefonema. Nada. Cada um parecia estar mais preocupado com sua própria vida, e com medo que a garota repentinamente precisasse de um ombro, colo ou simplesmente ser ouvida. Foram dias e noites de solidão. Sua mesa de cabeceira estava devidamente equipada com anti depressivos e tranqüilizantes, que se espalhavam entre os livros e pedaços de papel onde ela escrevia, escrevia e escrevia...Talvez nunca tivesse precisado de tais drogas, se aqueles os amigos, estivessem dispostos a lhe atribuir só um pouquinho de atenção, e pelo menos naquele instante não receber nada em troca. Era ela por si mesma. Nunca tinha sentido tão só, nunca tinha sido tão só. Tinha sido apresentada a tal da solidão, e já não sabia ao certo se ainda tinha tanto medo dela. Conviviam como duas amigas, depois de um certo tempo. Pensava que era bom não ter que esconder o que sentia, e nem manter um sorriso plástico nos lábios. Era só ela mesmo..já não precisava esconder nada de si. E lá se ia mais um dia, entre palavras perdidas, músicas , lembranças nubladas e algumas pílulas. Já não se sentia mais triste, mas apenas só, muito só.

Nenhum comentário: