5.3.03



USE OS HEADPHONES, POR FAVOR - MANHÃ DE CARNAVAL

E ele ainda estava com os ouvidos zunindo em virtude do barulho e da agitação daquela multidão, somado ao fato de que ele consumiu vários litros de álcool e dezenas de cigarros. E tudo numa noite só. E ele estava cansado. Muito cansado, porém feliz. O sol estava quase nascendo e todos da casa já deviam estar dormindo, exaustos. Inclusive ela, desmaiada de sono e bebida. Mas ele não. Ele estava lá, acordado, à beira da piscina, pensando e pensando e pensando e desejando que o sol levasse horas para nascer. Que a bonita pintura do sol nascendo naquele horizonte cinza durasse por horas e horas. Somente para que ele pudesse sorrir. Sorrir ainda mais. Mas ele sabia que isso não ia acontecer. O dia estava nascendo, independente da sua vontade, as pessoas iriam acordar em breve e eles iriam embora daquele sítio para suas vidas ordinárias e rotinas comuns. Mas antes disso, ele sabia que ela iria lembrar do seu beijo roubado e da sua declaração de amor. E ele não sabia se isso era bom ou ruim. Arroubos de carnaval. Desejos bons. Mas, no fundo, ele não estava disposto a pensar o que iria acontecer. Mais importante era o que já aconteceu durante a madrugada – pensou, enquanto tirava toda a sua roupa para jogar-se naquela piscina fria, ainda não aquecida por aquela manhã de quarta feira de cinzas. E o que a madrugada testemunhou, nem o sol vai poder apagar...ainda bem...



Marcha da Quarta Feira de Cinzas
(Vinícius de Moraes)

Acabou nosso carnaval
ninguém ouve cantar canções
ninguém passa mais
brincando feliz
e nos corações
saudades e cinzas
foi o que restou
Pelas ruas o que se vê
é uma gente que nem se vê
que nem se sorri
se beija e se abraça
e sai caminhando
dançando e cantando
cantigas de amor
E no entanto é preciso cantar
mais que nunca é preciso cantar
é preciso cantar e alegrar a cidade
A tristeza que a gente tem
qualquer dia vai se acabar
todos vão sorrir
chegou a esperança
é o povo que dança
feliz a cantar
Porque são tantas coisas azuis
há tão grandes promessas de luz
tanto amor para dar que a gente nem sabe
Quem me dera viver prá ver
e brincar outros carnavais
com a beleza dos velhos carnavais
que marchas tão lindas
e o povo cantando seu canto de paz
seu canto de paz...

Nenhum comentário: